Menu Principal

Quando se trata de exploração, tudo tem uma origem e nada acontece por acaso.

3
"Os escravos negros do Haiti propinaram uma tremenda surra ao Exército de Napoleão Bonaparte; e em 1808 a bandeira dos livres se alçou sobre as ruínas.

Mas o Haiti foi, desde ali, um país arrasado. Nos altares das plantações francesas de açúcar se tinham imolado terras e braços, e as calamidades da guerra tinham exterminado um terço da população.

O nascimento da independência e a morte da escravidão, façanhas negras, foram humilhações imperdoáveis para os brancos donos do mundo.
Dezoito generais de Napoleão tinham sido enterrados na ilha rebelde. A nova nação, parida em sangue, nasceu condenada ao bloqueio e à solidão: ninguém comprava dela, ninguém lhe vendia, ninguém a reconhecia. Por ter sido infiel ao amo colonial, o Haiti foi obrigado a pagar à França uma gigantesca indenização. Essa expiação do pecado da dignidade, que esteve pagando durante um século e meio, foi o preço que a França lhe impôs para seu reconhecimento diplomático.

Ninguém mais o reconheceu. Nem a Grande Colombia de Simon Bolívar, mesmo se ele lhe deveu tudo. Navios, armas e soldados o Haiti tinha lhe dado, com a única condição que libertasse aos escravos, uma ideia que não tinha ocorrido ao Libertador. Depois, quando Bolívar triunfou na sua guerra de independência, negou-se a convidar o Haiti ao congresso das novas nações americanas.

O Haiti continuou sendo o leproso das Américas.

Thomas Jefferson tinha advertido, desde o começo, que tinha que confinar a peste nessa ilha, porque dali provinha o mal exemplo.

A peste, o mau exemplo: desobediência, caos, violência. Na Carolina do Sul, a lei permitia prender qualquer marinheiro negro, enquanto o seu navio estivesse no porto, pelo risco de que pudesse contagiar a febre antiescravista que ameaçava a todas as Américas. 
O Haiti que Dilma visitou não é diferente do Haiti colonial

No Brasil essa febre se chamava haitianismo.
Agora, mais não!

Contado por Eduardo Galeano ao Emir Sader

3 comentários:

Nem mais sutil somos hoje. O bando de abutres, travestidos de missionários, que desembarcam por lá, apregoam que a miséria é consequência das crenças daquele povo. O Vodu é responsável pela miséria. Mas a verdade verdadeira, a verdade que o mundo branco, cristão e ocidental que condenou o Haiti e outras tantas nações à miséria e penúria, disso ninguém quer tratar.

Torço para que o povo do Haiti recupere seu orgulho e dignidade. E chute, bem chutado, algumas bundas brancas pra fora daquele país.

Beijos

Oi, Beth! Como pode um mundo onde há tantos estudos para criar novas tecnologias ainda habitar miséria e preconceito? Igualdade, é disso que o mundo precisa. Um abraço!

Oi, Beth! Sobre essa sua postagem, fiz uma citação na minha publicação. Espero que goste. Um abraço!

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar