Menu Principal

O amigo do mar

4
João, lendo o Manifesto
"Rubras cascatas
Jorravam das costas dos negros
Pelas pontas das chibatas
Inundando o coração
De toda tripulação
Que a exemplo do marinheiro
Gritava não"

João Cândido, morto em 1969 aos 89 anos, virou o “navegante negro” da música O Mestre-Sala dos Mares, de João Bosco e Aldir Blanc. Originalmente, seria o “almirante negro”A letra original (1975) foi modificada pela ditadura miliar.

Líder da Revolta da Chibata, inocentado há 100 anos, teve sua anistia reconhecida apenas em 2008.

Dois decretos e uma lei, em momentos distintos da República, explicam um pouco da história brasileira, que ainda resiste a ser contada. 

O primeiro é o Decreto Federal nº 3, de 16 de novembro de 1889, assinado pelo marechal Deodoro da Fonseca um dia depois da Proclamação: “Fica abolido na Armada o castigo corporal”. Mas no ano seguinte o governo criou as chamadas companhias correcionais, para os “praças de má conduta”. Foi contra esses castigos que se insurgiram 2.300 marinheiros, em 1910, na Revolta da Chibata. No final de 1912, João Cândido Felisberto, identificado como líder do movimento, foi julgado por um conselho de guerra e considerado inocente.

E aí entram os outros dois decretos. Na tentativa de acabar com o movimento, que ameaçava inclusive a cidade do Rio de Janeiro, o Congresso aprovou a anistia e o governo publicou o Decreto nº 2.280, de 25 de novembro de 1910, assinado pelo presidente Hermes da Fonseca, concedendo “amnistia aos insurrectos de posse dos navios da Armada Nacional”. 
Foi mais uma concessão formal do que real, já que João Cândido e outros terminaram expulsos e perseguidos. Vários foram mortos. 

Em 23 de julho de 2008, veio a Lei nº 11.756, assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concedeu anistia post mortem a João Cândido e aos demais marinheiros, com o “objetivo de restaurar o que lhes foi assegurado” pelo decreto de 1910.

A lei se originou de projeto da então senadora Marina Silva e do então deputado Marcos Afonso, ambos à época, filiados ao PT do Acre. 

4 comentários:

Oi Beth

Você retornando do descanso e eu saindo para descansar um pouco.

Esta história da revolta dos marinheiros contra a chibata, que zunia nas costas principalmente dos negros da marinha,foi mais um dos tristes episódios que o racismo promoveu. Não bastava se sentir superior, era preciso além disto, punir o "inferior", apenas por ele ser quem era. Não consigo conceber nada mais irracional que isto.

Deixei um agradecimento a você e vários outros amigos em meu post de hoje, não sei quando voltarei a postar novamente.

Beijos

Sei lá quem disse que país sem memória é país sem história. Infelizmente brasileiro tem memória curta e por isso é tão importante, vez por outra, relembrar certos fatos da nossa história que as elites sempre houveram por bem enterrar.
Lembrei de você outro dia assistindo um ótimo programa na Globonews sobre as peripécias de Caetano, Gil e outros dois durante a ditadura. Infelizmente não encontrei o link para repassar.
beijos

Oi Atena,
Mais uma vez parabéns pela colocação na lista dos blogues, no ranking organizado pelo Adelson.
Uma pena, se o encontrar, mande ta?
Grande beijo.
Bom final de semana.
E aí, O livro é ou não é uma delícia?

Bom descanso Van.
O tempo do seu tempo te dirá o momento do retorno...
Aproveite...
Beijão.

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar