Menu Principal

O homem de chapéu Coco e a Pimentinha

3
Chaplin, o Bêbado, a Equilibrista e o irmão de Henfil

*****

- O Chapéu Coco

Triste com o falecimento de Charlie Chaplin, João Bosco compôs uma  melodia em sua homenagem e chamou Aldir Blanc, seu parceiro, para colocar a letra.

Aldir, então, resolveu mesmo em plena ditadura militar (1964-1985), rimar Brasil com irmão do Henfil - o Betinho, que se encontrava exilado.

O sociólogo Betinho,  ativista pelos direitos humanos, foi cruelmente perseguido pelos militares e se exilou no México. Ele era irmão do genial cartunista Henrique de Souza, o Henfil.

 - O “Mano”

Henfil foi apresentado ao compositor Aldir Blanc por sua amiga, a cantora Elis Regina, no verão de 1975, iniciando assim uma longa amizade. Nas conversas, Henfil costumava encher os ouvidos do amigo com suas memórias do "mano" Betinho, exilado desde 1971.

Aldir, ao fazer a ao fazer a letra da música da música resolveu homenagear o “mano”, e rimou "Brasil" com "irmão do Henfil". Aldir afirmou que se dissesse "Betinho", ninguém reconheceria, a referência ao irmão Henfil era mais forte, visto que já era bem conhecido do público. 

A do Betinho viria a se formar nos anos noventa, principalmente após a criação da "Ação da Cidadania", que décadas depois seria a base do programa de segurança alimentar do governo Lula.

Ao enviar a fita cassete para o irmão, Henfil escreveu um recado: "Mano velho, prepare-se! Agora nós temos um hino e quem tem um hino faz uma revolução!". 

Dito e feito!

*****

- A Voz

Elis, também chamada carinhosamente de Pimentinha, chorou durante todo o tempo em que ouviu pela primeira vez a canção. “Talvez tenha antevisto a importância que teria essa música, coisa que não percebi”, revelou Henfil. 

Depois de pronta, Elis chamou novamente o cartunista para lhe mostrar o resultado. “Quando acabou a música, percebi que a anistia ia sair”, revelou em depoimento registrado na biografia da cantora. A canção que pedia “à volta do irmão do Henfil” começava a mobilizar mais gente para a causa. Os comícios que inicialmente reuniam 500 pessoas, passaram a contar com 5 mil.

Em pouco tempo a canção de João Bosco e Aldir Blanc se tornaria o maior sucesso do disco “Essa mulher”, de 1979, e ganharia o apelido de “Hino da Anistia”.


O bêbado e a equilibrista foi a faixa de maior sucesso do disco Essa mulher. “De repente pode ser um empurrãozinho a mais na questão. A gente não pode perder as chances. As brechas devem de ser ocupadas...”, afirmou Elis.

*****

E assim, já se passaram 35 anos do lançamento da canção que se tornou o Hino Oficial da luta contra a Ditadura Militar e pelas liberdades democráticas.

Pena que os mais jovens não conheçam, e alguns mais velhos não reconheçam o esforço que aquela geração fez para que hoje se tenha o tão decantado direito à liberdade de expressão, mesmo que essa tal liberdade às vezes não passe de pura libertinagem e irresponsabilidade, especialmente nas redes sociais.

Visto que: 
- Quando não há memórias, a liberdade não passa de uma mera ilusão.

3 comentários:

Pois é, ainda mantenho o LP original e bem preservado por aqui.
Tenho em outras versões de mídias também.
Abraço

[url=http://acheterviagrageneriquefrance.com/]viagra generique[/url] viagra moins cher
[url=http://viagraachetergenerique.net/]acheter viagra[/url] viagra vente
[url=http://comprarviagragenericoes.net/]comprar viagra[/url] viagra venta

[url=http://acheterviagrageneriquefrance.com/]achat viagra[/url] viagra 50 mg generique
[url=http://viagraachetergenerique.net/]viagra[/url] viagra moins cher
[url=http://comprarviagragenericoes.net/]precio viagra[/url] viagra venta

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar