Menu Principal

O universo é uma imensa escuridão

6
Quando lemos grandes cosmólogos e astrofísicos como Stephan Hawking, S. Weinberg, M. Rees e B. Swimme entre outros constatamos que estão sempre às voltas com três grandes questões: quais eram as condições iniciais do universo que permitiram que ele chegasse até aqui? 

Há vida em outros planetas? É possível uma "Teoria do Tudo" que explique numa fórmula simples tudo o que existe e assim captar a mente de Deus? Nestes campos até agora pouco se tem avançado. Num ponto porém chegou-se a conclusões que para uma visão global e filosófica das coisas possui grande relevância: quais seriam as condições iniciais que deram origem ao universo? 

Um conselho: evite de fazer aos cientistas a seguinte pergunta para não vê-los irritados: quem colocou aquele pontozinho infinitamente pequeno e quem o fez explodir? É que eles se dão conta dos limites de seu saber científico, o que de certa forma os convida a calar.    

A famosa sonda WMAP ( Wilkinson Microwave Anisotropy Probe) lançada em 2001 e que escaneou todo o universo visível permitiu a seguinte constatação: apenas 4% do universo  é visível e por isso cognoscível. 96% é de uma escuridão de breu e invisível. Destes 96%, 23% é matéria escura cuja gravidade teria a função de impedir que as galáxias escapem uma das outras e 73% é de energia escura que aceleraria a expansão do universo. Sabe-se ainda que nos primeiríssimos momentos após a grande explosão ocorreu um choque formidável de matéria e anti-matéria. 

Elas quase se aniquilaram restando apenas uma pequeníssima sobra de prótons na ordem de 1,000.000.001 da qual se originou o atual universo. Originalmente havia  75% de hidrogênio e 25% de hélio; o resto se formou dentro das grandes estrelas vermelhas. O astrofísico Steven Weinberg calculou o que teria ocorrido nos três primeiro minutos (seu livro Os três primeiros minutos, a origem do universo ) e suas consequências até os dias atuais. Ai afirma ele: "Se fosse rala demais, a massa ter-se-ia expandido excessivamente e não haveria condensação suficiente para formar as estrelas e assim permitir a vida. Se  fosse densa demais, o universo se retrairia em sucessivas explosões  e os corpos não poderiam surgir".

- Se as energias nucleares fossem fracas demais, não teriam ocasionado a formação dos elementos pesados como o carbono, o oxigênio e outros, necessários para a formação da vida. O universo seria composto apenas de hidrogênio.

- Se estas energias fossem fortes demais haveria apenas átomos pesados e nenhum hidrogênio a alimentar as estrelas.

- Se a força gravitacional fosse um pouco mais forte, as estrelas teriam consumido rapidamente sua energia nuclear interna, teriam tido uma vida mais curta, não teriam formado dentro delas os elementos pesados e a vida seria impossível.

- Que concluímos destas constatações? Que o universo combinou refinadissimamente todos estes fatores para que pudesse surgir vida e seres inteligentes. Caso contrário não estaríamos aqui para falar disso tudo. Por mais que muitos cientistas se considerem agnósticos e queiram evitar alguma teleologia (algum fim, algum propósito) não podem escapar desta logica das coisas. O universo instintivamente pareceria intuir que iríamos surgir e nos preparou as condições e nos deu este esplendoroso berço que é a Terra.

Mesmo sem introduzir logo Deus, como não se maravilhar e se encher  de gratidão por esse sutil caminho andado?

*****
Em 2005.

6 comentários:

Oi Beth
A ciência é uma coisa fabulosa, a melhor parte , na minha opinião ,é a de desevolver a capacidade de raciocínio lógico dos seres que a Ela se dedicam. Eles estão no caminho mas ainda falta muito antes de admitirem que existe no Universo, Algo que foge a percepção meramente material, Essa Causa Inteligente, capaz de criar coisas perfeitas que nem o mais inteligentes dos homens é capaz. Não importa... importante é esse "momento" que estamos aqui nesse Planeta Azul, lindo, cheio de belezas e muitas delas no microcósmo que é um Universo à parte.
Bjs amiga.
Lúcia

Oi, Beth!
Diziam que Einstein era ateu pois sempre houve um pensamento errático de que a ciência se opunha à Deus. Acho que o Big Bang é a teoria que mais se aplica à criação do universo, mesmo assim, pode ela não ser a que desvendará qualquer mistério.
Einstein deixou uma carta falando sobre o assunto que citei acima. Quanto as condições que permitiram que o universo chegou até aqui, existe um livro falando sobre esse assunto... "Os três primeiros minutos", de Steven Weinberg. Essa pergunta do início do post e as outras servem para reflexão, mas para ser respondida... quem sou eu! Os cientistas estão se questionam... rs.
Beijus,

Oi Lucia,

Sim,

Podermos contemplar esse maravilho planeta ao esmo tempo em que refletimos sobre essa maravilhosa criação, a luz da fé e ciência, é uma dádiva.

Creio que o texto cumpre bem esse papel.

Gostei!

Desejo a ti um excelente inicio de semana, e tudo de bom!

Beijos querida.

Oi Luma,

Sim dizem...

Sobre a carta eu não sabia. Bom saber.

Quanto ao livro, fiquei curiosa. Obrigada por informar.

No mais, concordo com você.

Obrigada.

Bom final de semana,

Beijão.

Falar do universo é dificil, pois o que nossos cientistas descobriram não chega a 10%, não sabemos os limites, Existem vidas fora da terra, mas para a população não está preparada para tal descoberta.

Oi sou uma blogueira que amo o que faz e venho navegando de blog em blog convidando os blogueiros sérios assim como vc a participar da nona pena de ouro que a Lindalva esta realizando. E gostaria muito de poder contar com a sua presença. Esse é o link:http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com.br/
Precisamos apenas que vc dê o seu voto na poesia que melhor lhe tocou o seu coração.
Mas não esqueça de deixar o link de seu blog para que seu voto seja validado.

Abraços

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar