Menu Principal

Folha de São Paulo: “O PT cumpre hoje o papel de demônio”

2
“On a raison de se révolter”

Dizia o filósofo francês Jean-Paul Sartre no fim da vida, quando, depois de maio de 1968, se cansou de esperar que o Partido Comunista se consertasse e fez causa comum com os maoistas. Não é fácil traduzir a frase de Sartre. Seria algo como “tem razão quem se revolta”.

Mas qual razão, quanta razão? Eu diria que é a razão do sintoma: sente-se a dor, procura-se a infecção, mas queixar-se não é diagnosticar a doença, menos ainda curá-la. O último dia 15 de março foi isso. A queixa é correta, o tecido social está sofrendo, mas diagnóstico e prognóstico ficaram pela metade.

A queixa: não se aguenta mais a corrupção. O caso da Petrobras mostra uma crise grave em uma de nossas maiores empresas. Pior, uma empresa que pertence a todos nós. Muito resta a explicar, da falta de controle à pura indecência. Como o PT foi entre tolerante e partícipe do processo, ele se torna a bola da vez.

A dor: como fizeram isso com nosso país? E o erro: fizeram, quem? Isso, o quê? Nosso, de nós, quem? Aqui está o problema.

Quem “fizeram” é só o PT ou, mais que ele, o PP ou, ainda mais, um sistema político que se acostumou a ser eficiente pela via da desonestidade? Porque há um subtexto em nossa sociedade que diz: resolva o problema, “não quero saber como”.

Não queremos saber como funcionam as coisas, desde que elas funcionem. Vejam o que chamamos de “segurança pública”. Ela depende muito da violência policial contra inocentes. Não queremos saber a que custo reina alguma paz em nossos bairros. O preço dessa paz é a violência contra três Ps: pobres, pretos e putas.

Ainda que insuficiente, a eficiência que o Estado consegue deve-se, em vários casos, ao “não quero nem saber”. Só que agora está emergindo o iceberg inteiro. Nós nos acostumamos ao “por fora bela viola, por dentro pão bolorento”; fingíamos que não havia bolor, mas ele está aparecendo. Tanto no Metrô de São Paulo como na Petrobras.

O avanço da democracia desnuda esse preço, esse bolor. Há uma reação tola: não quero saber do preço. Um dos modos dessa reação é carimbar um culpado bem afastado de nós. O PT cumpre hoje esse papel de demônio, que já foi de Getúlio Vargas. Assim se afasta de nós esse cale-se. Somos poupados.

As manifestações do dia 15 de março, legítimas na medida em que “tem razão quem se revolta” (mas alguma razão, não toda), caíram no engodo de construir um Outro demoníaco, aquele que acabou com o que era doce. O passado fica como uma idade, senão de ouro, pelo menos de prata.

*****
Janine Ribeiro, hoje, na Folha de São Paulo.

2 comentários:

Acho sempre interessante essa postura do povo contra o governo que não esconde em seus corredores palacianos, os escândalos de corrupção.
Pensam mesmo que em outros governos não existiam todos esses roubos que sabemos hoje?
Será que pensam que em outros partidos os políticos são corretos e não porcos maquiados?
Eu ainda agradeço ao governo atual por um pouco que seja de transparência, que não compra o silencio com dinheiro publico como foi feito ao longo de nossa historia.
Não está bom não, mas pelo menos estamos vendo uma parte da sujeira.
Beijão Beth.

Acho sempre interessante essa postura do povo contra o governo que não esconde em seus corredores palacianos, os escândalos de corrupção.
Pensam mesmo que em outros governos não existiam todos esses roubos que sabemos hoje?
Será que pensam que em outros partidos os políticos são corretos e não porcos maquiados?
Eu ainda agradeço ao governo atual por um pouco que seja de transparência, que não compra o silencio com dinheiro publico como foi feito ao longo de nossa historia.
Não está bom não, mas pelo menos estamos vendo uma parte da sujeira.
Beijão Beth.

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar