Menu Principal

O ódio chega às crianças

0
No último final de semana, eu e minha companheira fomos à primeira reunião do ano na escola pública em que meus filhos estudam. Poderíamos ter matriculado os dois numa escola particular, pois temos os recursos para isso. Inclusive, para nós seria muito mais fácil: não teríamos que contratar uma babá, não teríamos que encher os dias deles com outras atividades.

Apesar disso, escolhemos deixá-los na escola pública que fica praticamente atrás do condomínio onde moramos, pois os professores que lá ensinam têm uma grande dedicação, e por causa disso a escola, a despeito de todos os seus problemas (que não são poucos) conseguiu que seus alunos tirassem boas notas no SARESP, e hoje é uma das melhores escolas públicas do estado. E além disso, frequentar essa escola é ter a chance de entender que existe um mundo diferente além dos muros do condomínio onde vivemos, e entendo que é essa também outra função da escola: expandir o tamanho do mundo que temos em nossas cabeças.

Pois bem: a diretoria e os professores estão preocupados. Mais do que isso, estão verdadeiramente assustados. A tensão entre os alunos tem atingido níveis preocupantes, segundo eles. Os alunos estão mais agitados e ansiosos do que nunca. Mesmo meu filho, que sempre foi da paz, que detestava ter que se defender quando fosse necessário, tem dado sopapos nos colegas. Que revidam, ensopapando-o também. De onde veio tanta agressividade? Não me lembro de isso ter sido relatado pelos profissionais da escola há um ano, quando meu filho começou a ir na escola e que foi o ano imediatamente posterior às jornadas de junho 2013. O que mudou?

A única resposta que consigo enxergar é a eleição do ano passado, onde a mídia fez de tudo para rachar o país, impondo o jogo de "nós vs. eles" - jogo no qual todos nós fomos tragados, cada qual em seu campo, e que um dos lados insiste em continuar jogando, mesmo que a fatura tenha sido liquidada no 2º turno. Desde então, o ódio ininterrupto tem sido a tônica da mídia. E isso, claro, contamina as pessoas. Além de mim, quem é que não assiste o JN toda noite? E quem disse que outros jornais contam uma história diferente, nuançada? Como diz minha companheira, é um bombardeio sem limites, todas as noites. Não sei se eu mesmo não teria sucumbido, se assistisse jornal toda noite. E isso, independentemente da classe social, porque a mensagem que é passada a quem tem TV por assinatura é a mesma.

No rádio, é a mesma coisa. Um colega me conta que só ouve a Jovem Pan porque ela fica malhando o governo municipal ininterruptamente, sem dó nem piedade. Por que esse prazer de se lambuzar de ódio, de raiva? Detalhe: esse cara vai ser pai em breve! O que será que ele vai ensinar ao filho dele? Imaginem agora isso transplantado pros pais das crianças que frequentam a escola - não só a de meu filho, mas também todas as outras. Isso é bom para as crianças? Isso é bom para as famílias? Pois o que acontece com isso é que o niilismo acaba por ser instilado em crianças de 7, 8 anos de idade. É isso que a mídia quer? Que as crianças cresçam completamente descrentes do futuro e se transformem em meros consumidores, ao invés de cidadãos?

E os pais?

*****
Zarastro/DCM

Deixe um Comentário

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar