Menu Principal

O crime do jesuíta, Francisco e o dia do cinema boliviano

0
Quem é o jesuíta que o papa homenageou na Bolívia.

Era quase meia-noite quando ele foi sequestrado em La Paz. Luis Espinal Camps voltava a pé do cinema e faltava uma quadra para chegar em casa, quando lhe mandaram subir num jipe.

O padre jesuíta aguentou horas de tortura entre pontapés, socos e queimaduras antes de ser morto com mais de 12 tiros num matadouro de gado, conforme registrado na polícia e em relatos na mídia da época.

Quis a história atribulada da América Latina que Espinal e o salvadorenho Dom Oscar Arnulfo Romero fossem mortos com uma diferença de dois dias: o primeiro dia 22 e o segundo em 24 de março de 1980.

“A morte os irmanou”, disse à BBC Xavier Albó, padre jesuíta espanhol e amigo de Espinal. “Quando voltávamos do cemitério, soubemos que a mais de 4 mil quilômetros de distância (em El Salvador) tinham assassinado Oscar Arnulfo Romero. As causas são as mesmas”.

Na quarta-feira, um outro jesuíta, o Papa Francisco, na Bolívia honrou este religioso que chegou de Barcelona no início dos anos 70 para trabalhar em cinema, jornalismo e, no processo, expôs os abusos por parte dos governos militares que se alternavam no poder nesses anos.

E enquanto Romero foi recentemente beatificado, seguidores de Espinal e o Papa usarão a parada em frente às colinas onde seu corpo foi encontrado para ativar o processo que permite que o jesuíta seja reconhecido como um mártir da igreja.

Paralelo com Romero

“O salvadorenho morreu por defender os direitos dos pobres em seu país. Espinal foi abatido por dizer verdades e tomar partido pelos indefesos”, disse Albó à BBC.

Xavier Albó observa que a morte de seu colega foi devido a uma “opção preferencial pelos pobres” opção como a de Oscar Arnulfo Romero.

Hoje, há escolas, ruas, organizações juvenis e brigadas de trabalho bolivianos em homenagem ao jesuíta, um ativista pelos direitos dos cidadãos.

No dia de sua primeira posse presidencial, em 2006, Evo Morales mencionou Espinal quando ele pediu um minuto de silêncio por vários ativistas sociais bolivianos.

Em 2007, o presidente decretou a data do seu rapto como o dia do cinema boliviano.

Todos os anos, na manhã de 22 de março, crianças e jovens em escolas católicas fazem peregrinações ao local onde o cadáver de Espinal foi encontrado.

Albó aponta outro elemento comum entre os dois: Romero fazia sua homilia semanal de rádio, enquanto seu amigo usou a imprensa e o cinema como um meio favorito para “aplicar a sua experiência evangélica em favor das pessoas.”

Crime sem castigo

Em 1979, Espinal fundou o semanário “Aqui”, um jornal que alertou sobre a iminência de um novo golpe de estado na Bolívia, que se tornaria realidade quatro meses após o assassinato do jesuíta.

O cineasta e jornalista Alfonso Gumucio, que foi seu aluno e co-fundador do “Aqui”, lembra que conheceu Espinal em um dos cursos de cinema que o sacerdote organizava pouco depois de sua chegada na Bolívia em 1970. Ele se reencontrou com o padre quando participou da greve de fome maciça em 1978, encurralando o governo de Hugo Banzer (1971-1978), o que levou à convocação de eleições com um pedido de anistia irrestrita para prisioneiros e exilados.

“O semanário” Aqui “mostrou que Lucho (como era popularmente conhecido) estava determinado a ir até o fim em seu compromisso com a Bolívia. Era muito claro que sua vida iria acabar na Bolívia e, portanto, decidiu consagrar tudo à luta pela democracia “, disse Gamucio à BBC.

“Fiquei muito impressionado pela decisão de tornar-se boliviano e ficar aqui para sempre”, afirma Gumucio, que recentemente lançou uma reedição de seu livro “Luis Espinal e o cinema”.

Em 1986, no chamado “Julgamento da ditadura” (1986), sobre os abusos cometidos durante o governo do general Luis García Meza (1980-1981), paramilitares, policiais e militares foram condenados por violações dos direitos humanos.

No entanto, o caso de Espinal não foi julgado porque a morte ocorreu antes do golpe e, portanto, não estava entre as razões invocadas. Até agora, o crime do padre jesuíta ficou impune.

*****

Deixe um Comentário

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar