Menu Principal

Não venhas!

0
Carolina Noémia Abranches de Sousa. 

Conta a lenda, verdadeira, que ela só precisou escrever 46 poemas para tornar-se reconhecidamente a “mãe dos poetas moçambicanos".

Noémia de Sousa colaborou com “O Brado Africano”, jornal da resistência, durante três anos, de 1948 a 1951; do esforço nasceu inspiração para a densa poesia. Nunca mais versejou.

A mulher incansável que cresceu em um ambiente de reivindicação, que militava de dia e distribuía panfletos à noite com João Mendes, que escrevera cartas subversivas, que redigira artigos cortados pela Censura, que conspirava, não escapou a um processo que a condenou à prisão.

Refugiou-se em Lisboa com a “geração da utopia” sondando as independências. Circulou com a nata da intelectualidade africana em Portugal até ser perseguida pela ditadura e optar por novo exílio, desta vez na França.

Com uma filha às costas, Virginia Soares (Gina), saltou a fronteira, galgou os Pirinéus e alcançou a liberdade. Estava casada, desde 1962, com o poeta Gualter Soares.

Nunca deixou a vida a levar como quisesse, lutou muito. Em 1973 retornou a Portugal, para ocupar uma vaga de trabalho na Reuters. Não sabia que a Revolução estava batendo à porta, com cravos.

Trinta e três anos depois de deixar Moçambique, retornou à casa materna. Foi um reencontro inundado em lágrimas, tudo faltava no país naqueles anos 1980. Dedicou um verso àsua fé no futuro:
“Um dia o sol inundará a vida e será como uma nova infância raiando para todos”.

Noémia de Sousa, contam os íntimos, fazia feijoada e sarau de Carlos Drummond de Andrade, em uma brasileirice que adotou com gosto.

Finalmente seus poemas, reunidos no livro “Sangue Negro”, chegam ao Brasil em belíssima edição da Kapulana Editora, com ilustração de Mariana Fujisawa, que, além de letras na USP, estudou na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, Moçambique, em 2014. Ilustrou livros da série “Vozes da África”, da Editora Kapulana.

Vamos ler poesia?

Sobre Noémia, falta ainda eu dizer tanto, no entanto, faz-se urgente a apresentação da festejada poesia que vicejou poesia e poesia no país e no mundo. Ironicamente, o texto que escolhi mostra a luta íntima de Noémia com as palavras, que jorravam alheias à sua vontade, que denunciavam, amavam e odiavam com vida própria. Vamos a ela:

*****
Não venhas!

Porque vieste hoje,
Precisamente hoje, que não posso te receber?
Hoje,
Em que tudo tem uma cor
De pesadelo e em que até minha irmã a lua
Não veio, com a sua carícia fraterna, dar-me calma?
Oh Poesia,
Não, não venhas hoje!
Não vês que a minha alma
Não te pode compreender?
Que está fechada,
Cercada, fatigada,
E nada mais quer senão chorar?
Hoje, eu só saberia cantar
A minha própria dor…
Ignoraria
Tudo o que, Poesia,
Me viesses segredar…
E a minha dor,
Que é minha dor egoísta e vazia,
Comparada aos sofrimentos seculares
De irmãos aos milhares?
Bem sei que as minhas frouxas lágrimas
Nem o mais humilde poema valeriam…
E se tu sabes que é assim, Oh! Poesia!
Será melhor que fiques lá onde estás,
E não venhas hoje, não!

(Moçambique, 23/04/1949) 

*****
Por Christiane Brito
Do Jornal Tornado

Deixe um Comentário

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar