Menu Principal

As Caixas que precisam ser abertas

2
Pela sociedade, mídia, Congresso Nacional e STF.

Sem demagogia e enganação.

-De acordo com as memórias escritas, divulgadas timidamente nas mídias e meios de comunicação, as campanhas presidenciais de 1994/1998 foram beneficiadas por um esquema de caixa-dois de não fazer inveja ao chamado mensalão do PT.
Em 1994, pelo menos R$ 5 milhões não apareceram na prestação de contas entregue ao TSE. Em 1998, teriam passado pela contabilidade paralela R$ 10,1 milhões.

-A CPI dos Bancos de 1996, cujo ‘Objeto Determinado’ era a investigação das denuncias  foi engavetada. Disposto a controlar a crise aberta pela suspeita sobre o sistema financeiro, o presidente eleito ameaçou e "convenceu" as lideranças do Senado a engavetar os requerimentos para instalação de uma CPI sobre os bancos.

Em compensação, o ministério da Fazenda se comprometeu (e nunca cumpriu) a prestar contas ao Senado sobre o PROER. Decepcionada, a CNBB distribuiu nota dizendo não ser justo "que se roube o pouco dinheiro de aposentados e trabalhadores para injetar no sistema financeiro, salvando quem já está salvo ou já acumulou riquezas através da fraude e do roubo". Com o pronunciamento da CNBB a população tomou conhecimento da existência do PROER e a sua farra.

-Em 1995 o mesmo presidente demonstrou publicamente o sério e sólido compromisso que tinha com o capital financeiro. Na calada de uma madrugada de um sábado em novembro de 1995, o eminente mandatário assinou uma medida provisória instituindo o PROER, um programa para salvar bancos.
O PROER injetou 1% do PIB no sistema financeiro – um dinheiro que deixou o sofrido Tesouro Nacional para abastecer cofres privados, começando pelo Banco Nacional, então pertencente a família Magalhães Pinto, da qual um de seus filhos era agregado. Segundo os ex-presidentes do Banco Central, Gustavo Loyola e Gustavo Franco, a salvação dos bancos engoliu 3% do PIB, um percentual que, segundo economistas da Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), chegou a 12,3%.
 
Assim, o "notável" presidente FHC salvou os bancos e os banqueiros, que por seu turno, continuaram salvando os que já estavam salvos.
O pobre continuou sem acesso ao crédito bancário/financeiro, nem mesmo por meio dos bancos públicos – Brasil e Caixa.

****
E agora, no calor das manifestações populares que assolam o país, e que ocorrem sem a condução de partidos políticos, o partido do “honorável” presidente age como se não tivessem ajudado a aprofundar as distorções e exclusões sociais, ao longo dos seus “desgovernos” estaduais, nas ultimas décadas.

Especialmente em São Paulo e Minas Gerais, cidade sede do mensalão tucano.

2 comentários:

É muita imundice que nem mil oceanos caberiam. O próximo passo do povão deveria ser lutar pela pena de morte a políticos corruptos. Será que sobrariam meia duzia?

Sinto uma imensa tristeza por ver o meu País passar por tantas barbaridades. Vejo o nosso povo tão pacato, submisso e acolhedor tomando atitudes que não deveriam passar por elas. Nós Brasileiros que nascemos para ser alegres! Sinto mesmo muita tristeza por toda esta enganação que nos persegue. Abraços!

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar