Menu Principal

Go Brazil Go! Os negros brasileiros são uns frouxos?

4
O cineasta Spike Lee, diretor de “Faça a coisa certa” (1989) está no Brasil organizando a produção do documentário “Go Brazil Go!”, foi recebido ontem (25) no Palácio do Planalto pela presidenta Dilma Rousseff.

Ele disse que em “Go Brazil Go!” vai retratar como o Brasil se desenvolveu nos últimos anos e que deve vir ao país mais seis ou sete vezes até concluir o documentário.

“É um documentário sobre o novo Brasil, para descobrir que coisas aconteceram para tornar o Brasil uma superpotência. Vamos falar com pessoas do governo, das artes, dos esportes, e não podemos nos esquecer de dois eventos mundiais, a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, quando os olhos do mundo estarão voltados para o Brasil”.

Depois, Lee entrevistou Matilde Ribeiro, que foi por cinco anos Ministra da Igualdade Racial do governo Lula, e perguntou por que havia poucos negros no Governo.

Matilde, encabulada, tratou de diferenciar a situação entre os negros do Brasil e dos Estados Unidos, e lembrou que só agora os americanos escolheram um presidente negro.

Lee quis saber se uma brasileira poderia vir a ser Presidenta.

Ela disse: “temos que almejar o máximo”. Embora, no Brasil, o processo político seja mais lento. Ao final, Matilde Ribeiro ficou com a impressão de que Lee acha os negros brasileiros uns frouxos.

Lee disse que a Abolição dos escravos nos EUA ocorreu apenas vinte anos antes da brasileira, e os negros americanos avançaram muito mais.

Lee perguntou: por que vocês não viram a mesa?
Só faltou recomendar: Façam a coisa certa!

Vamos ver o que dirá hoje o STF, após a votação da ADPF 186.






4 comentários:

Spike Lee fez questionou a ministra, sem noção de que no Brasil “nós negros”, não nos candidatamos, por razões daquelas que a maioria credita como: “descrença” na, digamos, aptidão em governar o país. - Estou provocando ... Observe na essência, quando digo: “nós negros”, porque a coisa nem tem tanto a ver com a cor da pele; mas sim no crédito que é dado às minorias...

As pessoas apostam só naqueles que são notícia e, não naqueles que estão tentando mudar ...

Além do mais, fica difícil passar a vida tentando mudar sozinho a cornucópia de corruptos e desiguais tidos no Palácio do Planalto.

É necessário construir projetos desafiadores, não apenas por “nós negros”, “brancos”, “ índios”, e “orientais”, mas também por toda a sociedade que deseja arrancar esse adjectivo: “frouxos” da cabeça dos norte-americanos.

Até mais ...

PS: ...Compartilhado, tá! ;-)

Oi, Beth querida, há quanto tempo! Suas atualizações de blog não estavam aparecendo na minha lista, por isso há tempos não venho aqui. vou recadastrá-lo. No Dihitt só tenho tempo de entrar nos finais de semana. Como sempre, encontrei essa beleza de post. Queria aproveitar para parabenizá-la, esses dias foi seu aniversário, não é? Que Deus a abençoe, sempre . Um abraço!

Oi Beth,

acho que este adjetivo de "frouxo" cabe ao povo brasileiro em geral e não só aos negros brasileiros, a característica maior do brasileiro é a passividade, mas isto se estende a toda cor de pele, aqui o povo não se sente no direito de ir em busca e exigir seus direitos, preferem reclamar esperar que alguém faça o que precisam.

A característica do negro americano é muito diferente da característica do negro brasileiro, creio eu que até por causa do tipo de racismo que cada um sofreu. Nos Estados Unidos o racismo era violento, declarado, se matavam pessoas diante de todos só por serem negras e a lei não punia os brancos, criavam-se ambientes hostis ao que os negros reagiam também com bastante mais força e repúdio do que os negros daqui que sofreram um racismo velado, declaradamente eram aceitos, as leis da fraternidade eram pregadas, na prática a discriminação existia forte, isso tirou dos brasileiros a reação mais determinada como se vê nos Estados Unidos, pois eles aparentemente eram aceitos, depois da abolição não haviam lugares exclusivos para brancos e outros para negros nos EUA isto era regra até pouco tempo.

Atualmente alguns negros americanos discriminam muito mais os brancos do que os brancos a eles, conheço regiões de negros lá, que brancos não podem nem passar perto ou serão agredidos. Violência gerou violência, intolerância gerou intolerância.

Acho que o Sr Spike Lee se equivoca ao julgar atitudes dos brasileiros com base nas atitudes dos americanos, não acho que a relação negros/brancos dos Estados Unidos seja modelo ideal para nenhuma nação, acho que nosso povo tem que achar o caminho para seus próprios problemas, respeitando-se sua história e cultura e que cada pessoa tenha seguro em si o seu valor, que não se deixe discriminar nem sofrer preconceito, imponha-se, vá em busca de seus objetivos e ideais, outro dia você publicou uma história linda aqui, de uma professora negra que foi à luta em um tempo muito mais preconceituoso que hoje e garantiu seu lugar ao sol e o respeito de todos.

Gostei da resposta da Ex Ministra, devolvendo a ele a crítica.

Que cada um saiba primeiro fazer por si, depois exigir do outro, só conjugando estas duas atitudes é que as conquistas são efetivas.

Beijo Beth

Assino embaixo das palavras da Van.
Brasileiros e americanos são muito diferentes, independente da cor de pele.
Também acho que aqui o racismo come solto, senão não haveria essa estória de quotas para os negros ingressarem nas faculdades. Na minha ideia elas discriminam mais do que ajudam.
beijos, querida

WIDGETS QUE ABREM COM A BARRA DO FOOTER

Acompanhe o Feed

Fechar

ou receba as novidades em seu email

Digite seu email:

Entregue por FeedBurner

BARRA DO FOOTER

Blog desenvolvido por

Site Desenvolvido por Agência Charme
Bookmark and Share

Traduzir este Blog

Visitas

Curtir

Assine o Feed

Minimizar